Bem vindo ao site Porto Notícias, Segunda-Feira, 26 de Junho de 2017
Notícias
Porto dos Gaúchos
Juara
Tabaporã
Novo Horizonte
Regionais
Estaduais
Brasil
Mundo
Política
Executivo
Legislativo


Se você já precisou da Polícia Militar de Porto dos Gaúchos, como você avalia o atendimento que teve?
Bom
Ruim
Ótimo
Péssimo

 Idéias e Opiniões
     
A importância de buscar ajuda profissional ao sentir que a relação está trazendo prejuízo à saúde. Por Laura O. Gonçalves

Num mundo cada vez mais tecnológico, virtual e (extremamente) acelerado às relações estão se tornando cada vez mais complexas. Importa o "status" de relacionamento, e não a forma com que ambos irão conviver na vida em comum.


O "conhecer melhor" perpassa hoje por dividir tudo, juntar as escovas de dente e, ter uma vida em comum; mudando de forma drástica o ideal de 10 anos atrás, quando isso viria com o tempo, após o namoro e o noivado, atualmente  é substituído por 2 semanas ou até meses de namoro.

A busca pelo "par ideal" e pelo medo, muitas vezes da solidão, gera muita insegurança, fragilizando e impulsionando o indivíduo  a tomar decisões precipitadas, que favorecem, inclusive, a abdução das vontades e necessidades individuais fazendo com que o outro viva conforme o desejo de uma das partes, o que torna o relacionamento unilateral e prejudicial, até mesmo a saúde.

É sempre importante destacar que a realização pessoal deve ser primada em todas as relações, principalmente, as amorosas.

O indivíduo tem necessidades pessoais e intransferíveis que devem ser mantidas; desde que não prejudique uma das partes. Um bom exemplo disso é o trabalho, nada mais prazeroso do que ter com quem dividir as alegrias, e também reconfortante relatar o que não deu certo, recebendo apoio. Porém, se o outro usa o diálogo para impor pensamentos e muitas vezes fazer valer a sua vontade pessoal em detrimento a do outro, a relação deve ser vista como nociva.

Não há uma receita prática e comum a todos de como deve ser um relacionamento positivo e construtivo, mas é possível analisar os pontos que tornam a convivência difícil e nociva:

- Quando deixamos de viver para não magoar o outro;

- Quando as vontades pessoais deixam de ser atendidas em prol do outro;

- Quando se vive conforme as vontades do outro, e não pelo bem comum.

Ou seja, quando você passa a ser conduzido, deixando sua vida conforme a realidade do outro, e renunciando totalmente a ter sua individualidade, tão necessária para ter sua identidade pessoal, você está vivenciando um relacionamento tóxico, e que irá sim debilitar, inclusive sua saúde.

Por fim, relacionamentos devem trazer paz e crescimento para ambos, se está trazendo mais dor e tristeza, afastando do convívio familiar de umas das partes e até mesmo havendo a imposição de uma personalidade na outra, é o momento de analisar melhor.

O psicólogo entra como peça fundamental nesta análise, pois de forma imparcial vai analisar as evidências e traçar um tratamento de forma individual. Ressalto que o diálogo com amigos é fundamental, mas não supre, nem de longe, a eficácia do tratamento com um profissional. Já vivenciei na clínica terapias que mudaram por completo a vida dos pacientes, afinal é salutar manter a individualidade dentro das relações.

* Dra. Laura Oliveira Gonçalves (CRP/MT 18/2109) – Psicóloga atua na Abordagem Sistêmica (Terapeuta para casais, crianças, família, adolescentes), Especialista em Avaliação Psicológica e Especialista em Psicologia do Trânsito.

Instagram: dralaura_psicologiaclinica // Cel: (65) 98135-8840 

 
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Idéias e Opiniões
05/06/2017
27/05/2017
23/05/2017
18/05/2017
14/05/2017
10/05/2017
31/03/2017
25/03/2017
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
Opiniões
Porto dos Gaúchos
Juara
Tabaporâ
Novo Horizonte
Regionais
Estaduais
Brasil
Mundo
Política
Executivo
Legislativo
Copyright © 2017 - Porto Notícias