Bem vindo ao site Porto Notícias, Sábado, 24 de Junho de 2017
Notícias
Porto dos Gaúchos
Juara
Tabaporã
Novo Horizonte
Regionais
Estaduais
Brasil
Mundo
Política
Executivo
Legislativo


Se você já precisou da Polícia Militar de Porto dos Gaúchos, como você avalia o atendimento que teve?
Bom
Ruim
Ótimo
Péssimo

 Política
     
23 de Maio, 2017 - 09:47
Doze políticos de Mato Grosso são citados em depoimentos de executivos da JBS

Com a liberação da íntegra dos depoimentos dos executivos da JBS, sobe para 12 o número de políticos e personalidades públicas de Mato Grosso citadas ou investigadas no âmbito da operação Lava Jato. Entre os supostos crimes confessados por todos os colaboradores estão o pagamento de propinas, doações eleitorais não contabilizadas, o repasse de “mensalinhos” e até a compra de um dossiê falso contra o senador José Serra (PSDB). Entre os nomes revelados estão o de dois ex-governadores de Mato Grosso. O número de citações pode aumentar à medida em que as delações da JBS e de outras empresas em instâncias inferiores forem reveladas.


Os dois mais novos citados foram o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e o ex-secretário Pedro Nadaf. Conforme o empresário Wesley Batista (foto), um dos donos da JBS, eles teriam recebido, ao longo de três anos, cerca de R$ 30 milhões em propina para a liberação de incentivos fiscais ilegítimos. Os pagamentos mensais teriam ocorrido por meio de transferências a empresas indicadas pelo próprio Nadaf. Em outras ocasiões, houve a retirada de dinheiro em espécie.


Antes de Silval e Nadaf, o ministro da Agricultura, senador licenciado Blairo Maggi (PP), teve aceita a abertura de um inquérito contra si no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele é acusado pelos executivos da Odebrecht de ter recebido, em sua campanha à reeleição para o governo de Mato Grosso, em 2006, R$ 12 milhões em troca do pagamento de uma dívida do Estado com a empreiteira. Os repasses teriam sido operacionalizados pelo ex-secretário Eder Moraes. Blairo e Eder negam a acusação.


Para dar celeridade aos pagamentos, a construtora admite ter subornado o ex-secretário Edmilson José dos Santos, o ex-procurador-geral do Estado, João Virgílio Nascimento Sobrinho, e o procurador aposentado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho. Todos eles também negam as acusações.


Já na questão de doações não contabilizadas, dois nomes surgiram durante as investigações da Lava Jato. O do ex-vereador Lúdio Cabral (PT) e do ex-prefeito de Colniza, Assis Raupp (PMDB). Os dois teriam recebido recursos para campanhas eleitorais, mas não declararam estes repasses à Justiça Eleitoral. Raupp e Cabral também negam as acusações.


O ex-deputado federal por Mato Grosso, Pedro Henry (PP), foi citado na operação Lava Jato acusado de pedir R$ 2 milhões em propina à Odebrecht para, em troca, atuar em favor da aprovação de emenda à Medida Provisória nº 183 de 2004, que reduzia a zero a alíquota de impostos na importação e comercialização de fertilizantes e defensivos agrícolas.


O esquema de lavagem de dinheiro criado entre a Odebrecht e a cervejaria Itaipava não bancou apenas o caixa 2 de campanhas eleitorais, mas também a compra, em 2006, de um dossiê contra o então candidato ao governo de São Paulo, José Serra (PSDB), episódio que ficaria famoso como o escândalo dos “aloprados do PT”. Foram presos em flagrante Valdebran Padilha e Gedimar Passos. Valdebran era empresário e havia sido tesoureiro do PT em Mato Grosso em 2004. Gedimar havia sido agente da PF e se apresentava como advogado do PT.

Fonte: Só Noticias
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Política
22/06/2017
21/06/2017
17/06/2017
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
Opiniões
Porto dos Gaúchos
Juara
Tabaporâ
Novo Horizonte
Regionais
Estaduais
Brasil
Mundo
Política
Executivo
Legislativo
Copyright © 2017 - Porto Notícias