Realizada audiência para discutir concessão do sistema de abastecimento de água de Porto dos Gaúchos.

Representantes da empresa Porto Ambiental, estiveram na manhã de quinta-feira (13 dezembro/2018), na câmara de vereadores de Porto dos Gaúchos, para discutir com autoridades políticas e população o sistema de concessão de água do município.

A audiência, a princípio requerida pela própria concessionaria a mesa diretora da câmara de vereadores, foi aberta ao público por iniciativa do presidente da casa de leis, porém poucas pessoas compareceram.

Com objetivo principal se sanar dúvidas, a audiência se resumiu em explicações dadas pelo proprietário da Porto Ambiental a questionamentos feitos por vereadores e alguns munícipes.

Respondendo a questionamento sobre a proximidade do poço artesiano com o cemitério, que foi perfurado com objetivo de captar água para distribuição na cidade, Valdemir Tavares, proprietário da concessionária, ressaltou mais uma vez, que não existe nenhum risco de contaminação, uma vez que uma possível contaminação pode se dar no lençol freático, e o poço captará água do aquífero a mais de cem metros de profundidade, e lembrou também mais uma vez que todos os estudos foram feitos antes de iniciarem a obra. Já os poços semi-artesianos, que foram perfurados dentro do cemitério, ele esclareceu que são apenas para monitoramento, e que não servirão para captação de água para distribuição.

“Não tem nenhuma lei que proíba de ter um poço artesiano de captação perto de cemitério. Tomamos todos os cuidados, temos pessoas capacitadas como técnicos, engenheiros que atestam ser zero de possibilidade de alguma contaminação, então não tem sentido essa preocupação, pois tudo está absolutamente dentro das normas”, destacou Valdemir.

Em relação as tarifas de água, Valdemir disse que o valor cobrado em Porto dos Gaúchos ainda é a menor do estado de Mato Grosso em municípios que o sistema é através de concessão, e que é o menor valor viável para que a empresa que é privada possa realizar investimentos, uma vez que todos os recursos devem vir da arrecadação; “Por enquanto estou tirando dinheiro do bolso”, ressaltou.

A partir do ano que vem, o proprietário confirmou que será feito uma padronização de cavaletes e hidrômetros, e setorização do sistema de distribuição para que seja possível realizar manutenção sem interromper o abastecimento de água em toda a cidade, como acontece hoje.

Sobre a coloração da água, atestada por munícipes via redes sociais recentemente, Valdemir explicou que a empresa trabalha com um nível de turbidez de “00 a 15”, e que mesmo havendo uma turvação, o que ele atribuiu ao período de cheia do rio Arinos, que é de onde vem a água, não quer dizer que ela esteja imprópria para consumo, uma vez que a coloração não influencia na potabilidade da água, que continuou mesmo com cor alterada sendo totalmente própria para consumo.

Ainda conforme Valdemir, todas as análises são feitas antes de enviar a água as residências. A fala do representante da empresa foi reforçada pelo responsável da vigilância Ambiental do município, Josias Campinas, que informou que fizeram analises da qualidade da água em 18 pontos da cidade, e nada que comprometesse sua qualidade foi detectada.

Valdemir reforçou que a Porto Ambiental continuará investindo no poço artesiano perfurado no terreno ao lado do campo municipal, próximo ao cemitério, e que um reservatório será erguido no local, e que todo o sistema de abastecimento da cidade será transferido para o poço, sendo que quando isso for feito não haverá mais captação de água do rio Arinos, pois a água de poço é totalmente mais potável e precisará apenas de tratamento com cloro para distribuição, evitando assim que sejam adicionados outros produtos químicos como é hoje na água.

Durante a audiência, foi esclarecido ainda que toda instrução documental, desde o início da fase de licitação até a concessão estão a disposição de qualquer munícipe interessado na prefeitura.

 

Fonte :

Porto Noticias

Deixe seu comentário: