Em 5 dias, a covid-19 matou 4 da mesma família no Equador

Em apenas 5 dias, o novo coronavírus tirou de Paulina Carvajal quatro das pessoas mais importantes de sua vida. Ela perdeu o pai, a mãe, o marido e um de seus irmãos antes que tivesse tempo de entender o que acontecia. A cidade equatoriana de Guayaquil estava sendo arrasaca pelo vírus. E seu lar também.

Aos 39 anos, mesma idade que tinha o marido ao falecer, Carvajal é, talvez, o caso mais dramático do terremoto emocional e humanitário que viveu a cidade apelidada de “Pérola do Pacífico” entre a segunda quinzena de maio e a primeira de abril, com milhares de contágios e falecidos, muitos ainda não contabilizados.

“Todos aqui em casa tivemos o coronavírus, mas os mais prejudicados foram meu marido, que morreu no dia 25 de março junto com meu pai, e minha mãe, que morreu no dia 30 com meu irmão”, relembra a jornalista, já mais resignada, durante uma entrevista com a EFE, quase dois meses depois de viver a tragédia.

Cinco dias de dor

O calvário de Paulina, nascida e criada em Guayaquil, começou na madrugada do dia 23 de março, quando seu marido, Michael González, que era diabético, começou a ter dificuldades para respirar.

O casal esperou até a manhã seguinte para ir até uma das unidades de saúde da cidade, a essa altura já saturados, enquanto a pandemia registrava um dos índices de contágios per capita mais elevados do mundo na região.

Após percorrer dois pronto-socorros, finalmente o marido recebeu soro intravenoso para controlar o nível de açúcar no sangue e, por fim eles voltaram para casa. Tudo estava aparentemente bem, mas, horas depois, González voltou a manifestar sintomas.

“Voltamos ao lugar onde e foi tratado antes, mas nos disseram que não podiam fazer mais nada e que devíamos buscar um lugar para interná-lo, mas o sistema já esta em colapso. Ninguém queria recebê-lo”, relembra Carvajal.

Depois de várias horas, eles encontraram um centro onde ele recebeu um pouco de oxigênio e foi mandado de novo para casa. De madrugada, o problema voltou a se repetir, mas ele só conseguiu vaga em um hospital em 24 de março.

“Quando atenderam meu marido, ele já estava muito mal, quase não tinha sinais vitais, era desesperador. Ele só pedia oxigênio para respirar, mas não havia em lugar nenhum”, lamenta ela.

Enquanto isso, Paulina recebeu um telefonema de seu irmão para avisar que seu pai, Manuel Carvajal, de 77 anos, também tinha sido internado com problemas respiratórios. No hospital, o diagnóstico era de que 90% de seus pulmões estavam tomados pelo vírus. Manuel e Michael morreram no dia seguinte.

“Foi horrível, jamais imaginei que passaria por algo assim”, diz ela.

Como se seu luto não fosse suficiente, poucos dias depois seu irmão Marco, de 51, e sua mãe Eduviges, de 71, começaram a apresentar sintomas de covid-19 e morreram pouco depois.

Viver pelas filhas

Desde que o Equador decretou estado de emergência sanitária em 16 de março, a província de Guayas, cuja capital é Guayaquil, lidera o ranking oficial de casos confirmados e mortes por coronavírus, e desde então centenas de mortes prováveis causadas pela doença foram somadas.

Apenas em relação aos testes PCR (os testes rápidos não são contabilizados nas estatísticas provinciais), Guayaquil concentra 35% dos 35.300 casos de contágios de todo o país.

Paulina acredita que ela e sua irmã, ambas também contagiadas pelo vírus, estão vivas “por milagre”, e que se salvaram por seguir os conselhos de suas outras três irmãs: não chegar perto de nenhuma clínica e ficar em casa, uma decisão que causou gastos pesados em remédios e oxigênio.

A jornalista não sabe como elas se infectaram, mas suspeita que isso pode ter acontecido na loja da família: “sempre fomos muito unidos e nos víamos o tempo todo, acho que pode ser ali”.

Ao relembrar o que passou, ela diz que a dor provocada pelo luto, somado à própria doença, a fizeram fraquejar. Porque o vírus não permitiu atravessar o problema inicialmente: cada vez que ela chorava, seu corpo respondia pior.

“Se não tivesse as minhas filhas, não teria lutado pela minha vida com tantas forças e sinceramente, talvez não tivesse resistido. Era duro o que estava passando, mas precisava me tranquilizar e estar com elas, criá-las”, analisa.

Pressão nas redes

Seu caso chegou rapidamente às redes sociais e meios de comunicação e isso fez com que, naqueles dias de escassez, o Ministério da Saúde fizesse os testes que confirmaram que elas estavam infectadas.

“Sinto que as pessoas ficaram comovidas com tudo o que passamos e, ao saber que eu e minha irmã estávamos infectadas, começaram a pedir outras coisas para nós”, explica Paulina, que chegou a pedir publicamente que parassem de lhe enviar alimentos.

“Me sinto muito agradecida pelo carinho de muitas pessoas que não conheço, mas que me seguem nas redes e me deixam lindas mensagens de apoio”, revela ela, que recebeu mensagens também de outros países da América Latina.

A pressão social por internet serviu também para salvar outra família, na capital, Quito, que pôde fazer testes e receber alimentos graças à divulgação de seu caso: 20 pessoas, de todas as idades, foram contaminadas, mas a pandemia não os atingiu tão forte quanto atingiu os Carvajal, e eles sobreviveram.

União no luto

Quando se lembra daqueles dias, Paulina acredita que, além do colapso hospitalar e funerário que foi visto por todo o mundo, o principal problema em Guayaquil foi que muitos moradores não tinham noção do tamanho da pandemia.

“Muitas pessoas não tiveram consciência e continuam saindo e se reunindo. Certamente porque, como nada havia acontecido com elas, achavam que era tudo mentira”, lamenta.

E apesar da experiência trágica, tanto ela como sua família preferiram se recolher, manter a discrição e atravessar seu luto em paz e unidos. “Nunca pensei que, como ser humano, fosse suportar tanta dor”, diz.

Fonte:
EFE

Comentários

comentários