Irã anuncia novas violações de acordo nuclear

O presidente do Irã, Hassan Rohani, anunciou nesta terça-feira (05/11) que o país começará a quarta etapa da redução de compromissos assumidos no acordo nuclear internacional de 2015, ao retomar o enriquecimento de urânio na central de Fordo com a injeção de gás em 1.044 centrífugas.

“Em Fordo, temos 1.044 centrífugas e com o acordo nuclear tínhamos concordado que essas centrífugas seguiriam funcionando, mas sem a injeção de gás. Mas vamos dar esse passo a partir de amanhã”, disse Rohani, em discurso transmitido na televisão estatal, ponderando que essa decisão é “reversível”.

O presidente afirmou que vai dar a ordem à Agência de Energia Atômica do Irã (AEAI) para que, a partir desta quarta-feira, comece a injetar gás nas centrífugas de Fordo. A medida representa mais uma violação do pacto nuclear assinado com Estados Unidos, Alemanha, China, França, Reino Unido e Rússia, além da União Europeia (UE),

Apesar disso, Rohani disse que o Irã continuará negociando com os cinco signatários que permanecem no acordo (os EUA abandonaram o pacto no ano passado) e que toda a sua atividade “estará sob a supervisão da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA)”.

Atividades de enriquecimento de urânio na central de Fordo, localizada cerca de 180 quilômetros ao sul de Teerã, estavam suspensas desde a entrada em vigor do acordo nuclear. Rohani anunciou que está disposto a suspender as injeções de gás assim que os parceiros do pacto mantiverem os compromissos assumidos.

Este é o quarto passo realizado por Teerã desde maio em seu plano para reduzir os compromissos nucleares, na sequência dos adotados em maio, julho e setembro. O anúncio de Rohani acontece no dia seguinte à inauguração de uma rede de 30 centrífugas IR-6 avançadas na central de Natanz.

As medidas são uma resposta à saída unilateral dos Estados Unidos do acordo nuclear firmado Viena, anunciada em maio de 2018. Em seguida, os EUA voltaram a impor sanções econômicas contra Teerã, que tinham sido suspensas após o pacto, visando obrigar o regime iraniano a aceitar um acordo mais rígido.

Teerã exige que os demais signatários do pacto nuclear salvem o acordo e ignorem as sanções dos EUA. “Não podemos aceitar que cumpramos unilateralmente todos os requisitos e eles não”, disse o presidente Rohani.

Um ano após a retirada dos EUA do acordo, em maio, o Irã também começou a se retirar gradualmente das disposições do pacto. Entre outros motivos, como forma de pressionar os integrantes do acordo restantes.

O acordo nuclear permite ao Irã usar a energia nuclear pacificamente, mas não permite o desenvolvimento de armas nucleares. Atualmente, o Irã está enriquecendo urânio em até 4,5%, excedendo o limite de 3,67% definido no tratado. O limite permite apenas o uso pacífico da energia nuclear, sendo baixo demais para o desenvolvimento de armas nucleares. Antes do acordo, o Irã enriquecia o urânio a 20%.

Agora, o Irã produz cinco quilos de urânio por dia, em vez dos 450 gramas anteriores, de acordo com Ali Akbar Salehi, chefe da AEAI. Segundo ele, o Irã possui mais de 500 quilos de urânio de baixo enriquecimento, 200 quilos a mais do que o permitido pelo acordo nuclear.

MD/ap/dpa/rtr

Fonte :

DW

Deixe seu comentário: