Home Agronegócio Mais de 5,5 mil marcas de cachaça estão registradas no Brasil aponta Carlos César Floriano da VMX

Mais de 5,5 mil marcas de cachaça estão registradas no Brasil aponta Carlos César Floriano da VMX

8 min ler
0

O Brasil tem 5.523 marcas de cachaça e aguardente disponíveis no mercado para comercialização, coleção e degustação pelos apreciadores e colecionadores de rótulos destes destilados. Segundo o CEO do Grupo VMXCarlos César Floriano, “o número de marcas de cachaça registradas aumentou 18,5% em 2020, na comparação com o ano anterior, e as marcas de aguardente tiveram incremento de 11,3%”, explica. São 4.743 marcas de cachaça e 780 marcas de aguardente registradas no país.

Os dados foram divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) na publicação ‘A Cachaça no Brasil: Dados de registro de Cachaças e Aguardentes’.

O número de produtores de aguardente e cachaça registrados no Brasil aumentou 4,14% em 2020, quando comparado com o ano anterior, chegando a 1.131 estabelecimentos. O número de produtores de cachaça aumentou 6,8%, o que compensou a retração de 3,5% do número de produtores de aguardente no período.

Conforme a publicação ocorreu uma recuperação notável em relação ao ano anterior, considerando a pandemia que o mundo está atravessando e o consumo desse tipo de bebida que é extremamente impactado pela falta de eventos sociais e festejos.

O estado de Minas Gerais permanece na liderança tanto em número de produtores de cachaça como de aguardente. Segundo Carlos César Floriano “a região Sudeste é a que tem o maior percentual de estabelecimentos registrados para produção de cachaça (68,7%), com um total de 656 produtores”, explica.

A abrangência nacional de produtores de cachaça aumentou em 2020, quando foram identificados produtores registrados no Mapa em 25 unidades da federação. Apenas os estados do Amapá e Roraima não têm produtores de cachaça registrados.

Na análise do anuário fica evidente a manutenção da concentração dos estabelecimentos no Sudeste, especialmente em Minas Gerais, mas com alguns arranjos regionais, como em alguns municípios no Ceará que têm uma grande quantidade de produtores de aguardente, além de municípios em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, com muitos estabelecimentos em pequenos municípios.

A aguardente de cana e a cachaça são bebidas destiladas obtidas a partir da cana-de-açúcar. Enquanto a cachaça pode ser obtida apenas a partir da destilação do mosto fermentado de cana, a aguardente pode ser obtida deste ingrediente e também a partir do rebaixamento do teor alcoólico do destilado alcoólico simples de cana. Outras diferenças são a graduação alcoólica e parâmetros físico-químicos diferentes.

Os termos “cachaça” e “cachaça do Brasil” são indicações geográficas para o nosso país, portanto a denominação só pode ser utilizada por produtores nacionais.

Carlos César Floriano informa sobre a densidade cachaceira 

Segundo o Anuário da Cachaça 2020, o município de Córrego Fundo (MG) apresenta a maior densidade cachaceira do país, com um produtor de cachaça registrado para cada 798 habitantes. Em relação à aguardente, o primeiro lugar na densidade aguardenteira fica para o município de Pinheiro Preto (SC), onde há um produtor para cada 450 habitantes.

“O município de Salinas, em Minas Gerais, que é reconhecido como a Capital Nacional da Cachaça, aparece novamente em primeiro lugar no número de estabelecimentos produtores de cachaça com registro no Mapa, com 23 empresas”, explica Carlos César Floriano. Em segundo lugar, está São Roque do Canaã (ES), com 10 estabelecimentos. Alto Rio Doce (MG) teve um aumento de 350% no número de estabelecimentos registrados no Mapa.

Padrões de identidade 

A Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa abriu uma consulta pública, pelo prazo de 75 dias, sobre a proposta de Portaria que estabelece os padrões e identidade e qualidade da aguardente de cana e da cachaça. A proposta visa contribuir com a harmonia nas relações de produção e consumo.

Carlos César Floriano explica que “as sugestões tecnicamente fundamentadas deverão ser encaminhadas por meio do Sistema de Monitoramento de Atos Normativos (Sisman), da Secretaria de Defesa Agropecuária”.

Para o envio das sugestões utilize o seguinte link: https://sistemasweb.agricultura.gov.br/sisman/.

Para ter acesso ao Sisman, o usuário deverá efetuar cadastro prévio no Sistema de Solicitação de Acesso (SOLICITA), por meio do link: https://sistemasweb.agricultura.gov.br/solicita/.

 

Assessoria

Carregue mais postagens relacionados
Carregue mais por Porto Notícias
Carregue mais em Agronegócio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + 5 =

Verifique também

Datena critica voto impresso e descarta chapa com Bolsonaro

O apresentador José Luiz Datena criticou a atitude do presidente Jair Bolsonaro de querer …