Home Mundo Morte de Raisi cria bagunça na sucessão do Irã

Morte de Raisi cria bagunça na sucessão do Irã

6 min ler
0

Antes mesmo do helicóptero ser encontrado e as mortes do comboio com o presidente Ebrahim Raisi serem confirmadas, o aiatolá Ali Khamenei escreveu na rede social: “A nação não precisa ficar preocupada ou ansiosa, pois a administração do país não será perturbada de forma alguma.”

Ele, provavelmente, já sabia das mortes nessa hora. E quis deixar claro que nada e nem ninguém afetaria o regime. Khamenei é o supremo líder do Irã. É ele quem manda no país. Em todas as esferas: social, econômica, política. Até mesmo nos costumes.

É preciso lembrar que o país persa é governado por leis islâmicas, segundo a visão dos Aiatolás. Existe até uma polícia dedicada a manter a “moral e bons costumes”.

Para se ter uma ideia, os candidatos à presidência do país precisam passar pelo crivo do Conselho Guardião (formado por oito pessoas) e, por fim, pela palavra final de Khamenei.

Tudo controlado a mão de ferro. E a eleição de Ebrahim Risi, um juiz linha-dura, que condenou centenas de jovens a morte por irem contra o governo na década de 80, veio para consolidar o regime.

Considerado ultraconservador, Risi conseguiu manter o país longe da agitação. Controlou revoltas populares, manifestações e voltou a falar em projeto nuclear.

Mas o grande feito dele é visto como a “menina dos olhos” do aiatolá: Manter firme as milícias espalhadas pelo Oriente Médio e aumentar os tentáculos do país. Irã financia ativamente hoje o Hamas (Palestina), Hezzbolah (Líbano) e os Houthis (Iêmen), além de pequenos grupos no Iraque e na Síria.

Ele, pessoalmente, comandou a vingança contra Israel após o consulado do país ser atacado na Síria. Ataque foi “pontual” e sem danos maiores. Foi chamado de herói.

Os analistas internos já consideravam Ebrahim Risi como sucessor natural do aiatolá Khamenei, que hoje tem 85 anos.

A morte dele agora bagunça de vez a sucessão. Sem Rasi, o nome mais forte para assumir é o filho de Khamenei, Mojtaba. Só que há um problema nisso. Ele e o líder da revolução iraniana em 79, Khomeini, sempre criticaram o antigo regime, sob o comando do Xá (uma espécie de rei) que passava o trono de pai para filho. Como ele explicaria isso?

O medo real da sucessão é que venha alguém ainda mais radical. Khamenei é um líder que prega o ódio contra os inimigos, mas não é louco. Ele falava em “exterminar o estado de Israel”, mas nunca entrou em guerra direta. Chegou até a dar o sinal verde para o então presidente na época negociar um acordo nuclear com os EUA (o qual ele chama de Satã) e aliados, que foi desfeito quando Trump chegou à Casa Branca.

Agora todos esperam com receio essa dança das cadeiras em torno de Khamenei. A sucessão presidencial não chega a ser um grande problema. Em até 50 dias será realizada uma nova eleição. Um novo líder, mas quem de fato manda vai continuar. Não se sabe por quanto tempo. E nem há nada definido para o futuro. Será que o pior ainda esteja por vir?

BLOG DO ZAMATARO

Carregue mais postagens relacionados
Carregue mais por Porto Notícias
Carregue mais em Mundo
Comentários estão fechados.

Verifique também

Vereadora Luciane Bündchen agradece parlamentares federais por recursos destinados a Porto dos Gaúchos

Em uso da tribuna na sessão na noite de segunda-feira, 17 de junho, a vereadora Luciane Bü…