Químico da Porto Ambiental esclarece sobre qualidade da água, e fala sobre previsão para abastecimento definitivo com água de poço

Respondendo a questionamentos feitos principalmente em redes sociais sobre coloração da água distribuída pela concessionaria Porto Ambiental na cidade de Porto dos Gaúchos, o químico responsável da empresa Guilherme Vendrametto, concedeu entrevista a nossa reportagem onde orientou os usuários que qualquer dúvida ou reclamação pode ser feita diretamente a concessionaria, que enviara uma equipe até a residência do solicitante para conferir o que pode estar causando o problema.

Guilherme disse que como a rede de distribuição tem mais de 30 anos, pode ter acumulo de sulfato ou outros produtos químicos nas pontas de redes, e como atualmente estão em fases de testes para abastecimento de água do poço artesiano, tem horas que é bombeada água do rio Arinos, e tem horas que é água do poço, o que pode causar agitação nos encanamentos da rede de distribuição.

“Se o cliente não nos relatar o problema, pra mandarmos uma equipe ir desmontar o cavalete, dar uma descarga e recolocar novamente, o cliente ficará reclamando dias e dias e não vai sair a sujeira dos canos e resolver o problema. Essa sujeira pode aparecer em suas casas, então liguem na Porto Ambiental, peçam pra fazer a limpeza, por que realmente tem esse acumulo nas pontas de redes”, esclareceu Vendrametto.

Sobre o abastecimento definitivo com água de poço, a partir do novo reservatório, Guilherme disse que está concluído o serviço, mas ainda está em fase de testes para regular pressão e vazão, e que em breve a mudança definitiva será feita. Os testes feitos até agora superaram as expectativas, tanto na capacidade de abastecimento da cidade como na qualidade da água que será oferecida a partir do poço artesiano. “Temos agora um reservatório três vezes maior que o da estação atual que abastece com água do Arinos pra termos uma segurança que garante que numa falta de energia por exemplo tenhamos reserva e possamos abastecer a cidade por gravidade”, disse.

Em anos anteriores era comum a reclamação de falta de água ou baixa pressão na parte alta da cidade na época da seca, porem Guilherme disse que isso já foi sanado, e não vai ocorrer mais.

Quanto a qualidade da água da água do poço que será distribuída a população, o químico relatou contente que já foi feito várias analises em laboratórios credenciados, e todas ficaram dentro do padrão com uma água de qualidade excepcional; “Sem contar que com o abastecimento a partir do poço, pararemos de usar o sulfato de alumínio que era um produto responsável por fazer a remoção da sujeira da água do rio, pararemos de usar a barrilha que era usado para elevação do PH da água, e outros produtos químicos que eram necessários usar em se tratando de água de rio. O único produto químico que continuaremos usando na água de poço será o cloro que é bactericida”, disse Guilherme que reafirmou que água do poço que vai abastecer a cidade é de excelente qualidade.

O químico informou ainda que todos os laudos mensais de análise da qualidade da água estão disponíveis a população no escritório da Porto Ambiental, na prefeitura e na vigilância sanitária.

 

Fonte :

Porto Noticias

Deixe seu comentário: