Brasil registra média de 1.026 mortes pelo coronavírus por dia na última semana

Nos últimos sete dias, a média móvel de novos óbitos foi de 1.026 a cada 24 horas. O País registrou nesta sexta-feira, 31, 1.191 mortes e 52.509 novas infecções de coronavírus, segundo dados do levantamento realizado pelo Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL com as secretarias estaduais de Saúde. No total, 92.568 vidas já foram perdidas por causa da covid-19.

No final de maio, a média móvel de sete dias se aproximou de mil mortes por dia. Desde então, ou seja, há dez semanas, os números têm se mantidos próximos a esse patamar.

O balanço mais recente do Ministério da Saúde, divulgado nesta quinta-feira, mostra ainda que 1.844.051 pessoas já se recuperaram do coronavírus em todo o País.

Sobre os infectados, já são 2.666.298 brasileiros com o novo coronavírus desde o começo da pandemia, 52.509 desses confirmados no último dia. A média móvel de casos foi de 45.433 por dia, registrados nas últimas duas semanas.

O Estado de São Paulo registrou 287 mortes e 13.298 novos casos pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo informou o governo estadual nesta sexta-feira. No total, são 542.304 infectados e 22.997 óbitos.

Consórcio de veículos de imprensa

O balanço de óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita é uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia. E se manteve mesmo após a manutenção dos registros governamentais.

O Ministério da Saúde informou, no início da noite, que o Brasil contabilizou 1.212 óbitos e mais 52.383 pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Com isso, segundo a Pasta, no total são 92.475 mortes e 2.662.485 casos confirmados pelo coronavírus. O número é diferente do compilado pelo consórcio de veículos de imprensa principalmente por causa do horário de coleta dos dados.

Fonte:
Estadão.com

Comentários

comentários