Conheça a fraude que está por trás do envio de sementes da Ásia

A fraude chamada de “brushing” faz parte de uma estratégia de lojas virtuais para criar avaliações falsas de supostos clientes em plataformas de e-commerce. Esse pode ser o motivo de diversas pessoas, no Brasil e também em outros países,  estarem recebendo encomendas cheias de sementes sem terem comprado nada.

Daniela Santos, 44 anos, de Gravataí, no Rio Grande do Sul, é uma delas. “Fui abrir a embalagem e me deparei com um ‘pacotinho’ embrulhado em papel bolha. Poucos dias antes, eu havia lido sobre o que estava acontecendo, então estava a par da situação, mas mesmo assim, fiquei muito surpresa.”

Segundo o Ministério da Agricultura, 199 pacotes foram entregues em 23 estados e no Distrito Federal. Todos esses pacotes foram originários de países asiáticos, como China, Malásia e Hong Kong.

“O “brushing” consiste no envio de um item que simula uma compra para o vendedor usar o código de rastreamento do pacote para avaliar a própria loja e melhorar sua reputação. As lojas melhores ranqueadas em uma plataforma ganham destaque e vendem mais”, explica Arthur Igreja, especialista em tecnologia e inovação e professor convidado da FGV.

Igreja explica que o destinatário pode ser escolhido a partir de informações disponibilizadas pelas pessoas na internet e nas redes sociais. “Os dados como e-mail, endereço e nome completo podem ser coletados sem ter como origem um grande vazamento de dados. As próprias pessoas deixam essas informações abertas e isso pode ser usado no brushing”, alerta o especialista.

Não existe ainda uma explicação para o envio das sementes ao invés de outros produtos que poderiam ser usados nessas vendas fantasma. “A hipótese mais provável é que as sementes foram escolhidas por serem leves e baratas, o que torna mais vantajoso para o envio das encomendas”, diz Igreja.

O jornal norte-americano Wall Street Journal fez uma reportagem em 2015 denunciando a prática de brushing na plataforma Alibaba, um famoso marketplace chinês. Esse foi o primeiro registro da prática que fere as diretrizes das plataformas com o objetivo de enganar clientes e que se espalhou para outros países.

Segundo Igreja, o Brasil se tornou um alvo do esquema por ter uma população que é muito ativo nas redes sociais e por ser o destino de muitas compras feitas pela internet diretamente da China.

A principal orientação é não abrir os pacotes de sementes recebidos pelos correios, apesar de não existir riscos envolvidos até o momento. Em seguida, a pessoa deve entrar em contato com a Superintendência Federal de Agricultura de seu estado ou o órgão estadual de defesa agropecuária para providenciar a entrega ou recolhimento do material.

“Como sei que não pode descartar no lixo normal, deixei as sementes guardadas. Fui informada de que deveria entregá-las ao FMMA (Fundação Municipal de Meio Ambiente de Gravataí). Pretendo fazer isso ainda essa semana”, afirma Daniela.

Fonte:
R7

Comentários

comentários

WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de suporte ao cliente está aqui para lhe atender
👋 Olá, como posso ajudar?