Home Tabaporã Dois dos acusados de ter participado da morte de Roberto Candido Mateus em Tabaporã tem prisão mantida pelo TJ-MT

Dois dos acusados de ter participado da morte de Roberto Candido Mateus em Tabaporã tem prisão mantida pelo TJ-MT

6 min ler
0

O Tribunal de Justiça decidiu manter a prisão de Jader Hoffman Pereira, apontado pelo Ministério Público do Estado como um dos envolvidos na morte de Roberto Cândido Mateus, 42 anos, assassinado a tiros em outubro de 2019, na Estrada do Tatu, no município de Tabaporã.

Também foi mantida a prisão da advogada Leticia Jhenefer Alves Freitas, acusada de intermediar a morte Roberto Candido Mateus.

Segundo a denúncia do MPE, Jader teria sido contratado pela sogra de Mateus, Alzira Silvério Franceschini, por intermédio de Leticia Jheneffer Alves Freitas e Amilson Santos Pereira. A defesa, ao ingressar com o habeas corpus, alegou, no entanto, que não há indícios de que Jader teve envolvimento no crime. Além disso, apontou que não há “contemporaneidade no decreto prisional, pois trata-se de crime ocorrido há mais de dois anos”.

Sobre Leticia, consta nos autos que após o crime, a advogada comunicou a Alzira que a mesma não deveria falar nada a respeito do delito com ninguém.

Na denuncia do Ministério Publico constam quatro acusados de matar Roberto. Eles foram denunciados por homicídio qualificado, mediante paga ou promessa de recompensa, por motivo torpe, com emprego de meio cruel e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima. De acordo com o Ministério Público, o crime foi orquestrado por Alzira (sogra da vítima), que pagou R$ 25 mil em cheque a Leticia e Amilson para que encontrassem alguém para cometer o crime.

Após descontar o cheque, Amilson teria contratado o primo Jader por R$ 15 mil para executar a vítima, pagando R$ 5 mil adiantados e o restante após o crime. Na data dos fatos, Jader supostamente dirigiu-se até uma estrada que dava acesso à fazenda em que Roberto Mateus trabalhava e, quando avistou o veículo da vítima se aproximando, fez sinal para que parasse. Aproveitando-se do fato de que a vítima o conhecia, teria efetuado diversos disparos de arma de fogo em sua direção. A Polícia Militar recebeu denúncia anônima e, ao chegar no local, encontrou a vítima já sem vida.

Segundo a promotora de Justiça Anízia Tojal Serra Dantas, o crime foi praticado mediante paga ou promessa de recompensa, por motivo torpe, uma vez que Alzira arquitetou a morte do genro motivada pelo desejo de que sua filha ficasse com a posse dos bens patrimoniais do ofendido após o divórcio do casal. A promotora também apontou emprego de meio cruel, visto que a vítima foi atingida por reiterados disparos de arma de fogo, e mediante recurso que dificultou a defesa de Roberto Mateus, que foi pego de surpresa.

No mês passado, O Tribunal do Júri condenou Amilson Santos Pereira, réu confesso do assassinato de Jaqueline dos Santos, de 24 anos. A jovem foi morta com um tiro na cabeça e teve o corpo parcialmente carbonizado, em junho do ano passado, a cerca de três quilômetros do centro do município de Tabaporã.

Pelo assassinato de Jaqueline, o juiz Rafael Depra Panichella sentenciou o réu a 22 anos e nove meses de cadeia. Por porte de arma foram mais dois anos de cadeia e por fraude processual foram mais três meses de detenção. Ao somar todas as penas, o magistrado decidiu que o réu deverá cumprir 25 anos de prisão, em regime fechado. Amilson segue preso e ainda pode recorrer.

Fonte: Redação do Porto Noticias

PARTICIPE DO GRUPO DO PORTO NOTICIAS NO WHATSAPP

Carregue mais postagens relacionados
Carregue mais por Porto Notícias
Carregue mais em Tabaporã

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 20 =

Verifique também

Mulher morre ao levar choque de celular que estava carregando em MT

Dalvirene Ribeiro da Silva, 38 anos, morreu após levar um choque elétrico de celular que e…