Relatório da Sema aponta que mortes de peixes no córrego Água Boa em setembro/2019 foram causados por dejetos do confinamento

Laudo de fiscalização ambiental realizada por agendes da Secretaria de Estado do Meio Ambiente – SEMA, de Sinop no córrego Água Boa em setembro deste ano, atendendo a pedido da prefeitura de Novo Horizonte do Norte, da Delegacia de Polícia Civil de Porto dos Gaúchos e da Promotoria de Justiça da Comarca de Porto dos Gaúchos, em face de denúncia de que havia ocorrido mortandade de peixes naquele local, apontou que o crime ambiental foi gerado pelo Confinamento Ramax.

Em 22 de setembro/2019, ocorreu um grande volume de chuvas na região, sendo as primeiras chuvas que anunciaram o início do período chuvoso e chamou a atenção a mortandade de peixes constatada no córrego, fato registrado por moradores da região que chegou ao conhecimento das autoridades.

Assim sendo, na data de 26 de setembro de 2019, a equipe técnica da DUD Sinop esteve “in loco” em alguns pontos do Córrego Água Boa (que divide os municípios de Juara e Novo Horizonte de Norte) e também no empreendimento denominado de RAMAX Confinamento, com o objetivo de realizar inspeção para averiguação das denúncias sobre possível ocorrência de despejos de dejetos sem prévio tratamento, o que teria ocasionado a mortandade de peixes.

Em vistoria no empreendimento que possui 04 (quatro) lagoas de tratamento, sem impermeabilização (ou seja, sem a existência de manta PEAD), apenas as três primeiras lagoas estavam cheias de efluentes, a quarta lagoa estava seca. No local não foram encontrados sinais de extravasamento das lagoas.

– Entretanto, apesar de não ter havido extravasamento das lagoas, com a análise da água do córrego, foi possível constatar uma alteração significativa de sua qualidade. Um dos motivos que pode ter levado à alteração dessa qualidade da água é que, anteriormente, o curso d’água, no ponto localizado nas proximidades do confinamento, formava-se um barramento. Com o barramento, havia um grande acúmulo de água, o que possivelmente diluía os efluentes lançados pelo empreendimento, mesmo sem a comprovação da eficiência do sistema de tratamento utilizado no que tange à concentração e ao volume de efluentes lançados. Isto porque, todo sistema de tratamento de efluentes necessita de um ponto final de lançamento: seja um curso d’água, sejam valas de infiltração, ou, seja o sistema de ferti-irrigação. E como no local não haviam valas de infiltração, nem era realizada ferti-irrigação, os efluentes gerados da atividade somente poderiam ser direcionados ao curso d’água quando as lagoas encontravam-se cheias.

Com o desfazimento do barramento, houve a diminuição do volume de água neste ponto, mas a possível manutenção de matéria orgânica não decomposta ou não carreada pelo curso d’água, no leito do rio e também nas áreas laterais que formavam o barramento, que, conjugado com a forte chuva que ocorreu na região, acabou por remover essa matéria orgânica do fundo do curso d’água e das áreas laterais, levando-a para outros pontos do córrego – , explica trecho do relatório elaborado pela equipe de fiscalização da SEMA em outubro, o qual o Porto Noticias teve acesso.

Como consequência, foi lavrado laudo de infração contra o confinamento por causar poluição com a disposição de matéria orgânica proveniente da atividade em área de curso d’água e de antigo barramento em níveis tais que provocou a mortandade de peixes no Córrego Água Boa, sendo aplicada multa de multa administrativa no valor de R$ 250.000,00 (Duzentos e cinquenta mil reais)

O empreendimento também recebeu mais uma multa no mesmo valor por instalar e fazer funcionar atividade de criação de bovinos em regime de confinamento, utilizadora de recursos ambientais, considerada efetiva ou potencialmente poluidora, sem licença do órgão ambiental competente, e ainda recebeu uma terceira multa no valor de R$ 186.797,00 (Cento e oitenta e seis mil e setecentos e noventa e sete reais) por utilizar recursos hídricos para lançamento de efluentes da atividade de criação de bovinos, sob regime de confinamento, sem a necessária outorga de direito de uso.

As multas aplicadas ao confinamento somaram o valor total de R$ 687.797,00 (Seiscentos e oitenta e sete mil e setecentos e noventa e sete reais).

Além disso, foi lavrado também o Termo de Embargo/Interdição do local, no qual ficou embargada a atividade de criação de bovinos sob regime de confinamento e o lançamento de efluentes no curso d’água.

Tentamos contato com o confinamento para saber se houve a tomada de alguma medida judicial em contrapartida aos embargos e multas aplicadas, mas não obtivemos resposta.

Relacionadas: Peixes aparecem mortos no córrego Água Boa divisa entre Juara e Novo Horizonte do Norte

Prefeitura de Juara aciona Ministério Público no caso sobre mortandade de peixes gerado por confinamento de Novo Horizonte do Norte

Direção nega que mortandade de peixes no córrego Agua Boa tenha sido causada por confinamento de Novo Horizonte do Norte

 

Fonte:
Porto Noticias/Roseno Barros - DTR 0002566/MT

Comentários

comentários