Home Política Presidente da Câmara dos Deputados diz que questão de voto impresso é assunto superado

Presidente da Câmara dos Deputados diz que questão de voto impresso é assunto superado

5 min ler
0

Pressionado por líderes partidários, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), decidiu fazer um pronunciamento após as manifestações de 7 de Setembro, bem como a participação do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), nos atos em São Paulo e em Brasília e a defesa do voto impresso. Governista, Lira adotou um tom pacificador, apoiou os brasileiros que foram às ruas e disse que a questão do voto impresso está superada.

Lira chegou à Casa por volta das 12h40 desta quarta-feira (8/9), mas iniciou seu discurso somente às 13h30, após dialogar com interlocutores. “Os poderes têm delimitações. O tal quadrado deve circunscrever o seu raio de atuação. Isso define respeito e harmonia”, começou para, em seguida, afirmar que “não pode admitir questionamentos sobre decisões tomadas e superadas como a do voto impresso. Uma vez definida, vira-se a página”.

Lira fez questão de defender uma pacificação entre os Poderes. “Conversarei com todos. É hora de dar um basta a esta escalada, em um infinito looping negativo. Bravatas em redes sociais, vídeos e um eterno palanque deixaram de ser um elemento virtual e passaram a impactar o dia a dia do Brasil de verdade. O Brasil que vê a gasolina chegar a R$ 7 reais, o dólar valorizado em excesso e a redução de expectativas. Uma crise que, infelizmente, é superdimensionada pelas redes sociais, que apesar de amplificar a democracia estimula incitações e excessos.”

Governista, o presidente da Câmara não deixou de parabenizar os brasileiros que foram às ruas no 7 de Setembro. “Uma democracia vibrante se faz assim: com participação popular, liberdade e respeito à opinião do outro”.

Voto impresso
O discurso de Bolsonaro na Avenida Paulista causou incômodo, inclusive na ala governista. O principal ponto foi a insistência em defender o voto impresso, mesmo depois de a Câmara ter arquivado a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que propunha a reforma eleitoral com o tema em questão.

Depois da rejeição do texto em comissão, Lira levou a PEC ao Plenário, como forma de botar um ponto final na questão. O acordo interno era de que Bolsonaro viraria a página sobre o voto impresso caso a proposta não passasse no Congresso. Diferentemente do combinado, o chefe do Executivo voltou a pautar o tema em discurso a apoiadores.

Lira aproveitou o pronunciamento para voltar a defender o processo eleitoral eletrônico. “Por fim, vale lembrar que temos a nossa Constituição, que jamais será rasgada. O único compromisso inadiável e inquestionável que temos em nosso calendário está marcado para 3 de outubro de 2022. Com as urnas eletrônicas. São nas cabines eleitorais, com sigilo e segurança, que o povo expressa sua soberania.”

 

R7

Carregue mais postagens relacionados
Carregue mais por Porto Notícias
Carregue mais em Política

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × três =

Verifique também

Policia Civil de Porto dos Gaúchos cumpre mandado de prisão contra integrante do CV acusado de homicídio em Tapurah

Policiais da Delegacia de Porto dos Gaúchos cumpriram na tarde desta sexta-feira (24 de se…