EUA registram quase 1,6 mil mortes por Covid em um dia

Os Estados Unidos registraram 1.592 mortes pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) nas últimas 24 horas, informou o Centro Universitário Johns Hopkins na noite desta terça-feira (28). O número de vítimas é o mais alto desde o dia 15 de maio e mostra que a pandemia continua avançando pelo país.

Ainda conforme os dados da universidade norte-americana, foram 60 mil infectados no mesmo período.

Nessa nova onda da Covid-19, os estados da Flórida (186 mortos em 24h), Califórnia e Texas são os que mais registraram mortes e casos, mas Arkansas, Oregon e Montana também bateram seus recordes anteriores na terça.

Epicentro no início da crise sanitária, Nova York vem ficando para trás na lista de estados com mais contaminações. Com seus 412.878 infectados, já está atrás de Califórnia (470.762) e Flórida (441.977) – e deve ser superado pelo Texas (408.493) ainda hoje.

No entanto, ainda pertence aos nova yorkinos a maior quantidade de vítimas da doença, com 32.653. Nova Jersey registra 15.825, seguido pelo estado da Califórnia, com 8.679.

Aparentemente controlada no mês de junho, a crise sanitária voltou a avançar com força nos estados que anteciparam a reabertura econômica por conta da pressão feita pelo presidente Donald Trump.

Esse é um dos motivos, por exemplo, pelo fato dos casos em Nova York terem estabilizados: enquanto os estados governados pelos republicanos foram abrindo o governador democrata Andrew Cuomo e o prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio, mantiveram as medidas mais restritivas e foram fazendo as reaberturas de maneira mais lenta.

Por conta da expansão da Covid-19, a avaliação de Trump despencou, com a maior parte dos norte-americanos criticando a sua gestão da pandemia e derrubando as intenções de voto para as eleições presidenciais de novembro.

Por conta disso, apesar de continuar pressionando para a retomada econômica, Trump aconselhou seus cidadãos a usarem máscaras em locais públicos e a respeitarem regras de distanciamento social. (ANSA).

Fonte:
ansa

Comentários

comentários